Mãe de bebê sequestrado no Hospital de Taguatinga espera exame de DNA para levá-lo para casa

O exame é realizado para certificar a maternidade do recém-nascido. Polícia Civil será a responsável pelos procedimentos

2

A mãe do bebê sequestrado no Hospital Regional de Taguatinga (HRT), Larissa Almeida, 21 anos, espera o resultado do exame de DNA para conseguir levar Miguel para casa. Segundo a mãe do bebê, o pedido do exame foi solicitado, mas é necessário esperar a Polícia Civil ir ao local para retirada do sangue. “De acordo com uma assistente social que nos acompanha, a solicitação foi feita, mas não há uma previsão de quando o exame será feito. Depois disso, teremos que esperar mais quatro dias até o resultado definitivo”, explicou Larissa.

Anúncios
Anúncios
Anúncios
Anúncios
O exame é realizado para certificar que o recém-nascido é mesmo filho de Larissa, depois de ser levado por uma mulher na madrugada de 28 de novembro. No inicío da manhã, a criança foi localizada no Hospital Regional de Ceilândia (HRC). Apesar do alívio de reencontrar o filho, Larissa não vê a hora de levá-lo para casa: “Estou feliz que a gente vai para casa, mas estamos cansados dessa demora. E não dão nenhuma data próxima de saída”.
A família está se revezando no quarto do hospital. “Somos três: eu, a avó do bebê e a madrinha”, contou Luana Soares Pereira Dama, companheira de Larissa. A família inteira está à espera de Miguel. “Todos estão ansiosos para conhecer o neném. Será o primeiro homem da família. O quarto está todo pronto para recebê-lo”, completou Luana.
 
O caso
O recém-nascido foi levado do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) na madrugada de quinta-feira (28/11). O bebê, chamado Miguel, teria sido levado por uma mulher que se passou por médica do hospital. A criança foi localizada no Hospital Regional de Ceilândia (HRC), no início da manhã.
A mãe do bebê deu entrada no hospital na madrugada da terça-feira (26/11), segundo sua irmã Raisa Almeida, 24. “Ela ficou internada durante 36 horas com a bolsa estourada, mas sem dilatação. Não induziram o parto. Quando foi às 8h de quarta-feira (27/11) ela deu à luz, de cesariana”, relatou Raisa. Ela conta que o parto foi acompanhado pela mãe delas.
“Depois disseram que minha mãe não poderia ficar, que tinha que ir embora e outra pessoa poderia voltar às 14h30. Quando minha cunhada foi acompanhá-la, a mulher da portaria a barrou. A gente achou um absurdo, porque a mãe tem que ter acompanhante na cesária”, disse.
Na maternidade, ainda segundo a irmã, uma mulher suspeita abordou Larissa dizendo precisar realizar exames no bebê. “Ela pediu para tirar a glicemia do bebê, por volta das 3h. Essa mulher ficou analisando como ia fugir. Escolheu um horário em que a mãe estava cansada”, avaliou Raisa.
Larissa permitiu que o filho fosse levado, mas ficou desconfiada. “Ela pegou e levou a  criança. Em cinco minutos, minha irmã foi atrás, mas ninguém mais a achou”, ressaltou.
A denúncia do desaparecimento de Miguel foi feita logo em seguida. “Essa mulher ficou se passando por médica. Estava de jaleco branco, ficava indo de mãe em mãe pedindo para ver o bebê. Ninguém reclamou, mas todos acharam ela estranha”, acrescentou Raisa.
Anúncios
Anúncios
Anúncios
Anúncios

2
Deixe um comentário

avatar
1 Comentar tópicos
1 Respostas do Tópico
0 Seguidoras
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
2 Autores de comentários
RealistaCorreto Autores de comentários
mais novos mais antigo mais votado
Correto
Visitante
Correto

Eu nasci nesse hospital em Taguatinga, já que na época as pessoas morriam muito nos hospitais em João Pinheiro.

Realista
Visitante
Realista

E as pessoas continuam precisando ir para outras localidades até hoje.