Além do poder público, diversos representantes da sociedade civil têm se mobilizado para tentar pôr um fim à epidemia de dengue na cidade de João Pinheiro. Segundo o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde, a cidade registrou, de 17 de fevereiro a 16 de março, 432,81 casos por cada 100 mil habitantes. Na zona de risco, é o segundo grau mais alto.

Segundo o padre Hilton Rodrigues Santana, pároco da São Cristóvão, “a dengue é um problema de todos nós e precisamos tomar consciência deste fato e fazer nossa parte”.

Anúncio

“Se a gente não lutar junto, nunca conseguiremos vencê-la. A dengue está aí e temos de fazer nossa parte, limpando nossos quintais, tampando os ralos e os vasos sanitários e não deixar lixo porque tudo que fizermos poderá se voltar contra nós. Também é preciso deixar o poder público fazer sua parte, com a entrada dos agentes de combate a endemias nas residências”, declarou o padre.

Mesma opinião tem Wagner José dos Santos, pároco da Sant’Ana dos Alegres. “Nossas Paróquias começaram um trabalho de conscientização na luta contra a dengue e esperamos que toda população participe, limpando seus quintais e sua casa, tirando recipientes que acumulem água, colocando areia nos vasos de plantas, olhando as calhas e atrás da geladeira e mantendo a cidade limpa. Fazendo nossa parte, podemos recorrer aos nossos representantes para que façam a parte deles. Unidos seremos muito mais na luta contra a dengue”, afirmou o padre.

Wagner também chamou atenção das pessoas que não deixam os agentes de combate a endemias entrarem em terrenos ou residências. “Não há porque temer. Se você abre sua casa para os agentes irem e fazer vigilância, estará contribuindo para o bem de todos. Eles sempre vão com identificação e trabalham não em nome do município, mas em nome da saúde de todos”, finaliza.

Já o médico cardiologista Carlos Rocha enfatizou a quantidade de óbitos que têm ocorrido em João Pinheiro em razão da doença transmitida pelo mosquito aedes aegypti. “Nos últimos 30 dias tivemos vários casos de óbitos relacionados à dengue hemorrágica. É preciso que toda a população se empenhe no combate ao mosquito. A dengue é um problema de todos os cidadãos de João Pinheiro. É preciso que a gente abrace essa cause, insista, batalhe e trabalhe todos os dias e todas as horas no combate”, exclama o profissional da saúde.

Pra ele, considerando uma população de 50 mil habitantes, João Pinheiro tem um número de casos extremamente alarmante. “O cenário é favorável à calamidade. Temos uma sociedade que não se empenha e um sistema de saúde público que não consegue atender todos os casos”, desabafou o médico.

Confira o depoimento completo do Dr Carlos:

 

Anuncio

5
Deixe um comentário

avatar
 
👍👎👏💪🙏✌👊☝👇👀💤❤🔥🗨🔝⭐⚖🔎🎂🍺🔨🏥🚒🚑🚓☹😲😨😁😣😡😖😕😢😶😉😤😱😟😫😍☺️😇😂😘😴😊😏😰🙈🙊🙉
3 Comentar tópicos
2 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
5 Autores de comentários
Sebastião Egídio FurtadoCidadãoNeideCb MartinsReal Autores recentes de comentários
novos velhos mais votados
Real
Visitante
Real

Mas a prefeitura tem que fazer sua parte limpando os lotes e casas abandonadas na cidade, pois se faz a denúncia dos mesmos e eles não vão nos endereços.

Neide
Visitante
Neide

Prefeituea ta fazendo e o povo que e sem conciencia msm

Cidadão
Visitante
Cidadão

Já denunciei lote e casa abandonada pra prefeitura e não fizeram nada.

Sebastião Egídio Furtado
Visitante
Sebastião Egídio Furtado

Em frente à minha casa tem um quarteirão inteiro necessitando de limpeza à mais de 10 anos, não sabemos se é de Propriedade da Prefeitura ou de Particulares, só sei que os Agentes de Saúde, não tem e nunca tiveram condições de fazer a devida vistoria, pois o matagal atinge mais de 10 (dez) metro de altura e como disse, isto ocorre à mais de 10 anos. Já coloquei vídeos e fotografias nas Redes Sociais, nem comentários foram feitos a respeito. Não fica muito longe não, fica bem próximo de sua casa, como disse anteriormente, trata-se de um quarteirão, o… Ler mais »

Cb Martins
Visitante
Cb Martins

Infelizmente a maior culpado desta epedemia é a população. A administração pública é que tem menos culpa dessa proliferação alastrada, se vc não limpar seus quintais que e de pura responsabilidade sua, como administração só no combate às ruas, se não cuidarmos dos focos nada vai adiantar. Meu pensamento Cb Martins