27.1 C
João Pinheiro
27.1 C
João Pinheiro

Bolsonaro está disposto a pagar até R$ 1.000 de auxílio emergencial se parlamentares reduzirem salários

"Se tivermos um programa para diminuir salários de parlamentares, tudo bem, eu pago até R$ 1.000 por mês, não tem problema nenhum", disse o presidente

Mais acessadas

Caminhão fica completamente destruído em grave acidente entre JK e Canoeiros; carga foi saqueada

Um caminhão carregado de frango, salsicha e congelados em geral ficou completamente destruído em uma saída de pista no...

Por dívida de cinquenta reais, motorista é ameaçado de morte em João Pinheiro

Um motorista de 55 anos de idade foi vítima de ameaça na tarde de ontem, sexta-feira (18), em João...

Para policiais, pai que matou filho de 3 anos a facadas disse que teve um surto

O inquérito policial que apura as circunstâncias da morte de uma criança de 3 anos, assassinada a facadas pelo...

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta terça-feira (9) que a equipe econômica estima que as duas novas parcelas do auxílio emergencial serão de R$ 300 mensais, mas que está disposto a aumentar o valor se os parlamentares aceitarem diminuir os próprios salários como medida de compensação.

“A ideia da equipe econômica são mais duas parcelas, talvez de R$ 300, sei que tem parlamentar que quer mais duas de R$ 600. Se tivermos um programa para diminuir salários de parlamentares, tudo bem, eu pago até R$ 1.000 por mês, não tem problema nenhum”, disse Bolsonaro ao sair do Palácio da Alvorada, após reunião ministerial.

Segundo ele, para que as novas parcelas tenham valores mais altos, será preciso dizer “de onde vem o recurso”. “Não podemos nos endividar. Se os governadores resolveram mudar os protocolos, ajuda a recuperar a economia e agora não podemos deixar esse pessoal sem emprego e sem auxílio emergencial. E auxílio emergencial tem limite”, declarou a jornalistas.

Mais cedo, durante reunião ministerial televisionada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a extensão do auxílio emergencial por mais dois meses, em julho e agosto, marcará o período necessário para que haja uma organização do “retorno seguro ao trabalho”, seguindo protocolos internacionais.

“O primeiro passo, vamos lançar essa camada de proteção, com a extensão do auxílio emergencial por dois meses, enquanto isso organiza-se a volta, o retorno seguro ao trabalho, dentro dos bons protocolos”, disse o ministro no encontro.

Segundo Guedes, o governo espera que “nesses 60 dias haja uma organização de retorno seguro ao trabalho”. “Depois entramos em uma fase, finalmente, de decolarmos novamente atravessando as duas ondas. Esse é o desafio”, declarou.

FonteO Tempo

2 COMENTÁRIOS

guest
2 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Pé de cana
Pé de cana
3 meses atrás

Kkkkkk se Fu de ram

Agora quero ver!!!
Agora quero ver!!!
3 meses atrás

Kkk MT bom

Últimas notícias

Mais 11 pessoas testam positivo para o coronavírus nas últimas 24 horas em João Pinheiro

A Secretaria de Saúde de João Pinheiro acaba de divulgar o boletim epidemiológico da Covid-19 atualizado. Mais onze pessoas...

Por dívida de cinquenta reais, motorista é ameaçado de morte em João Pinheiro

Um motorista de 55 anos de idade foi vítima de ameaça na tarde de ontem, sexta-feira (18), em João Pinheiro. Ele estava no pátio...

Final de semana de muito calor em João Pinheiro; veja a previsão completa

Pode não parecer, mas ainda estamos no inverno. E se a manhã deste sábado já está quente, prepare-se porque a temperatura vai subir ainda...

Caminhão fica completamente destruído em grave acidente entre JK e Canoeiros; carga foi saqueada

Um caminhão carregado de frango, salsicha e congelados em geral ficou completamente destruído em uma saída de pista no KM 249 da BR-040 entre...

Para policiais, pai que matou filho de 3 anos a facadas disse que teve um surto

O inquérito policial que apura as circunstâncias da morte de uma criança de 3 anos, assassinada a facadas pelo próprio pai P.H.P.B, de 24...

Artigos relacionados