16.8 C
João Pinheiro
16.8 C
João Pinheiro
Anúncios
Anúncios
Anúncios
Anúncios

Chacina em igreja de Paracatu completa 1 ano sem autor ser julgado; parentes ainda vivem o luto e a revolta

Rudson sendo condenado, pode pegar mais de 100 anos de prisão pelos crimes cometidos

Mais acessadas

Disparo acidental de arma de chumbinho provoca morte de jovem de 20 anos em Bonfinópolis

Um jovem de 20 anos morreu durante uma pescaria no último dia 30 de maio na Fazenda Paris, município...

Briga entre genro e sogro vira caso de polícia em Ruralminas

Uma briga entre genro e sogro foi registrada pela Polícia Militar na noite do último dia do mês de...

Congelamento do salário dos servidores já está valendo em Minas Gerais, diz AGE

A Advocacia Geral do Estado de Minas Gerais (AGE-MG) disse que o congelamento dos salários dos servidores públicos sancionado...

Hoje dia 21 de maio,completou um ano da chacina dentro de uma igreja evangélica em Paracatu. O crime bárbaro, aconteceu no dia 21 de Maio de 2019,na igreja Batista Shalom no bairro Bela Vista.

O aterrorizante momento vivido por um grupo de fiéis que estavam reunidos orando na igreja, quando chegou o atirador Rudson Aragão Guimarães, na época com 39 anos, atirando contra todos.

A tragédia gerou repercussão internacional e hoje passando um ano, ainda é difícil esquecer e entender o que realmente levou Rudson a matar a ex-namorada e mais três pessoas dentro da igreja naquela noite. Rudson ainda não foi julgado pelo crime, que destruiu famílias e traumatizou comunidades evangélicas em Paracatu. Sendo condenado, Rudson pode pegar mais de 100 anos de prisão pelos crimes cometidos.

A delegada responsável pelas investigações da época, Thays Regina Silva, deu detalhes sobre a conclusão do inquérito e explicou o que teria motivado Rudson  a matar a ex-namorada Heloisa Vieira Andrade, de 59 anos e mais três fiéis da igreja.

De acordo com as investigações, Rudson havia sido afastado da liderança da célula de oração da igreja e excluído de um grupo de Whatsapp da igreja, devido mal comportamento. Isso teria despertado a ira dele. Heloisa também teria sido afastada da liderança da célula, devido à situação do relacionamento dos dois, mas ela participava das intercessões da igreja. Contudo, Rudson não quis mais participar dos trabalhos da igreja, após ter sido afastado da direção da célula e ter sido excluído do grupo do Whatsapp.

A motivação do crime estaria ligado ao afastamento de Rudson da liderança de célula  e do grupo de whatsapp da  igreja, o que teria alimentado nele uma vontade de vingança contra a Ex-namorada e o pastor da igreja.

Segundo Thays, Rudson teria premeditado o crime, uma vez que chegou a distribuir bens particulares para alguns familiares, dizendo que iria embora, chegando demostrar um comportamento estranho.  Rudson ao saber que a ex-namorada estava na casa de sua irmã, pegou um canivete e se deslocou  até a casa da irmã. Ao chegar na residência, Rudson não cumprimentou a Ex, e disse que a mataria, desferindo um golpe no pescoço de Heloísa, que chegou a ser socorrida, mas acabou morrendo.

Após esfaquear a ex-namorada, Rudson tentou fugir no carro da irmã, que sempre ficava com a chave na ignição, mas naquele dia, a chave não estava no veículo e Rudson questionou a irmã sobre a chave do veículo. Transtornado, Rudson deslocou até sua casa, pegou a arma de fogo e seguiu para a igreja Batista Shalom, onde arrancou a grande de proteção e invadiu a igreja em busca de matar o pastor Evandro.

De acordo com Thays, Rudson invadiu o templo procurando matar o pastor Evandro, porém o pastor havia conseguindo sair da igreja a tempo. Rudson muito irado, atirou no pai do pastor, Antônio Rama e em mais duas fiéis, Rosangela Albernaz e Marilene Martins de Melo Neves. A terceira vítima, chegou a ser refém de Rudson quando a polícia chegou na igreja e mesmo com o diálogo dos militares, o criminosos se recusou a soltar a vítima, atirando contra a cabeça dela.

As investigações ainda apuraram que Rudson teria  trocado com um vizinho um Arco flecha na garrucha calibre 36, utilizada na chacina. Na última terça-feira (28), policiais civis cumpriram mandados de busca e apreensão em diversas residências. Em uma delas, foi encontrada grande quantidade de armas e munições de calibres restritos e irrestritos. O homem flagrado com o material confessou à Polícia que teria vendido a arma do crime para Rudson.

Rudson se for condenado, vai responder por quatro homicídios com duas qualificadoras, sendo motivo torpe e sem possibilidade de defesa das vítimas e também por uma tentativa de homicídio contra o pastor Evandro Rama. Rudson não demonstrou arrependimento do crime e nem deu maiores detalhes, contou a delegada.

Após cometer o crime, Rudson tentou ainda contra a própria vida dentro do hospital municipal de Paracatu. Rudson, não ficou preso no presidio de Paracatu, pelo risco de ser morto por outros presos e ficou rodando de presídios em presídios, sendo transferido na época para penitenciaria do complexo Penitenciário em Carmo do Paranaíba, no Alto Paranaíba e depois para a Penitenciária de Patrocínio, no dia 19 de Julho de 2019.

Anúncios
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Anúncios

Últimas notícias

Mais três casos suspeitos que aguardavam o resultado dos exames dão negativo em João Pinheiro

A Secretaria de Saúde de João Pinheiro emitiu na tarde de hoje, terça-feira (02), o boletim da Covid-19 atualizado....

Congelamento do salário dos servidores já está valendo em Minas Gerais, diz AGE

A Advocacia Geral do Estado de Minas Gerais (AGE-MG) disse que o congelamento dos salários dos servidores públicos sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem...

Fogo atinge dependências da Toca da Raposa 1, em Belo Horizonte; veja vídeo

Um incêndio atingiu uma área de vegetação de um dos centros de treinamento do Cruzeiro, a Toca da Raposa 1, na região da Pampulha,...

Briga entre genro e sogro vira caso de polícia em Ruralminas

Uma briga entre genro e sogro foi registrada pela Polícia Militar na noite do último dia do mês de maio, em Ruralminas. A confusão...

Solidariedade na BR-040 já garantiu alimentação de 12 mil caminhoneiros e 4 mil de moradores de comunidades

O longo dos últimos meses, as rodovias do Grupo Invepar estão realizando ações da Campanha “Nós”, que entre as iniciativas, está o apoio aos...
Anúncios

Artigos relacionados

Anúncios

Anúncios