16.3 C
João Pinheiro
16.3 C
João Pinheiro

Ministério Público pede à justiça que negue declaração de insanidade mental de Angelina, responsável por matar mãe e tirar bebe de sua barriga

Angelina tem mesmo transtorno personalidade borderline, conforme alega. Entretanto, a síndrome não afeta a capacidade dela de entender o que é certo ou errado

Mais acessadas

Camionete capota e é atingida em cheio por caminhão de leite na MG-181, em João Pinheiro

Mais um acidente foi registrado na MG-181, estrada que liga João Pinheiro à Brasilândia de Minas, desta vez no...

Advogado com Covid-19 que fugiu de hospital em Patos de Minas morre por insuficiência respiratória

O advogado João Donizetti de Lacerda, 63 anos, acabou falecendo na madrugada desta quinta-feira (09). Ele estava internado com Covid-19...

Enfermeira vai até o quartel e registra ocorrência por bate boca no PSF de Rural Minas

Uma enfermeira foi até o quartel da Polícia Militar de João Pinheiro para registrar uma ocorrência na manhã da...

O Ministério Público do Estado de Minas Gerais se manifestou nesta segunda-feira (13) sobre o pedido de declaração de insanidade mental de Angelina Ferreira Rodrigues, 40 anos – responsável por matar Mara Cristina Ribeiro da Silva, 21 anos, no dia 15 de outubro do ano passado, em João Pinheiro, e roubar o bebê ainda no útero da mãe.

Assinada pelo promotor de Justiça da Comarca de João Pinheiro, Fábio Alves Bonfim, a manifestação do Ministério Público foi contrária ao pedido de declaração de insanidade mental. Para chegar à conclusão, o promotor de Justiça se baseou no laudo expedido pela Perícia.

O órgão atestou que a suspeita, que alega ter transtorno de personalidade borderline, de fato é portadora da doença. Entretanto, por meio de exame de sanidade mental, ficou atestado que ainda assim ela é capaz de entender o caráter ilícito de seus feitos, pois não havia alterações da sensopercepção e do pensamento.

“Ademais, a Perícia constatou que a acusada demonstra comportamento cheio de simulações e manifestações evidenciado pela hiperressonância do afeto, o que significa que a pericianda pode fingir sintomas, diminuindo ou aumentando seus possíveis efeitos, sempre na tentativa de justificar seus atos ilícitos”, diz o promotor.

Baseado no laudo, Bonfim reforça que o distúrbio não impede a portadora de viver em sociedade. “Ela apenas necessita de tratamento medicamentoso e psicoterapia contínuos, o que já tem sido devidamente providenciado”, sustenta o promotor para pedir a negativa da declaração de sanidade mental.

À época, Angelina Ferreira Rodrigues foi indiciada pelos crimes de dar dar parto alheio como próprio, subtração de incapaz e homicídio qualificado por motivo fútil, com uso de meio cruel, traição e mediante emboscada para ocultação de outro crime. Ela aguarda julgamento.

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Últimas notícias

Mais nove pessoas se recuperam da Covid-19 em João Pinheiro

A Secretaria de Saúde de João Pinheiro acaba de publicar o boletim epidemiológico de hoje. Mais nove pessoas conseguiram...

Copasa de João Pinheiro culpa o frio pela falta de abastecimento em diversos bairros da cidade

Há poucos meses atrás, os pinheirenses sofreram com a falta de abastecimento de água em toda a cidade. Na época, as fortes chuvas eram...

Advogado com Covid-19 que fugiu de hospital em Patos de Minas morre por insuficiência respiratória

O advogado João Donizetti de Lacerda, 63 anos, acabou falecendo na madrugada desta quinta-feira (09). Ele estava internado com Covid-19 e chegou a fugir do...

Enfermeira vai até o quartel e registra ocorrência por bate boca no PSF de Rural Minas

Uma enfermeira foi até o quartel da Polícia Militar de João Pinheiro para registrar uma ocorrência na manhã da última segunda-feira (6). Segundo ela,...

Criminosos invadem residência durante a madrugada e agridem morador em Brasilândia de Minas

Um homem que estava dentro da sua casa dormindo na madrugada deste domingo (05), no bairro Porto em Brasilândia de Minas, foi acordado a...

Artigos relacionados